quarta-feira, 12 de julho de 2017

Tese sobre militância petista é defendida na Universidade Federal de Santa Catarina

A tese “Participação de Alta Intensidade e Militantismo dos Filiados de Base do PT no Brasil”, elaborada pelo membro do Conselho Curador da Fundação Perseu Abramo – presidida por Dilma Rousseff – José Roberto Paludo, de Santa Catarina, orientada pelo professor doutor Julian Borba, foi defendida na manhã desta sexta-feira (31), no Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis. A tese, que é requisito parcial para obtenção do título de Doutor em Sociologia Política “está inserida no campo da Ciência Política e articulada a uma agenda de pesquisas em torno das atitudes e do comportamento político da cidadania, especificamente no que se refere ao partidarismo no Brasil”.

Paludo conta que a avaliação foi positiva e que isso se deve ao esforço de realizar uma pesquisa quantitativa e qualitativa, utilizando aportes teóricos diferentes – relacionados à literatura sobre participação e partidarismo e à Sociologia do Militantismo, ressaltando a produção de dados novos e trabalhando a militância como algo único.

“A tese traz dados novos e demonstra que para falar da militância existem diversos aspectos que os diferenciam um dos outros, como tempo de filiação e de idade, que são determinantes para explicar a intensidade de participação. Ela também levanta uma discussão sobre o que o partido precisa pensar na sua base, de como existem diversas ações e decisões políticas possíveis de se fazer para aumentar o engajamento dos filiados”, explicou.

PARTICIPAÇÃO DE ALTA INTENSIDADE E MILITANTISMO DOS FILIADOS DE BASE DO PT NO BRASIL

RESUMO

A presente tese está inserida no campo da Ciência Política, articulada a uma agenda de pesquisas em torno das atitudes e do comportamento político da cidadania, especificamente no que se refere ao partidarismo no Brasil. Considerado o destaque do Partido dos Trabalhadores (PT) entre as legendas nacionais em se tratando de aspectos como organização institucional, relação com o eleitorado e relevância no sistema partidário, o problema de pesquisa analisado foi a intensidade da participação da base de filiados do referido partido, pois, ainda que o petismo seja um tema bastante estudado, há lacunas tanto com relação à intensidade de participação quanto no que diz respeito à base dos filiados, tomada como objeto empírico. Para tanto, foram mobilizados aportes teóricos relacionados à literatura sobre participação e partidarismo e à Sociologia do Militantismo, bem como realizadas pesquisas de campo e análises de natureza quantitativa e qualitativa. A hipótese de pesquisa foi de que a intensidade de participação dos petistas se explica pelos recursos individuais e habilidades cívicas adquiridas no processo de socialização, combinados com retribuições simbólicas e materiais, de modo que a trajetória dos filiados, representada pelas dimensões de tempo de filiação e idade, seriam dimensões determinantes para explicar a variação da intensidade de participação. Em se tratando de resultados, a análise do banco de dados composto por uma amostra representativa da base de filiados ao PT permitiu confirmar a hipótese de que as variáveis de tempo de filiação e de idade são determinante para explicar a intensidade de participação (IP). Ademais, a análise das entrevistas permitiu aprofundar os resultados quantitativos, bem como tratar também de desfiliados à legenda, não incluídos na pesquisa quantitativa e considerado perfil relevante ao objetivo desta tese, o que possibilitou a compreensão sobre as conexões entre as diferentes dimensões da trajetória militante no processo de construção de distintos níveis de engajamento e a intensidade da participação dos indivíduos no PT. Diante do exposto, pode-se afirmar que a trajetórias dos militantes explica as diferenças de intensidade no momento atual, considerando-se os recursos individuais, o processo de socialização e a carreira militante, diante das transformações de cada fase do petismo e das especificidades de cada contexto.