quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

ATO PELA DEMOCRACIA E POR JUSTIÇA

“Mais um Guerreiro tombou na Luta por Justiça!”

Não podemos nos omitir diante da morte de nenhum ser humano, especialmente nesse caso, como se deu o assassinato do companheiro MARCELINO, de forma cruel. Diante disso, muitas foram as manifestações das pessoas de bem da sociedade chapecoense e que estão indignadas com o fato.

Vista sua camisa preta e venha participar do ato por justiça!

Local: Em frente a Catedral Santo Antonio – Praça;
Dia: 05/12/2011 – segunda - feira
Horário: 17:00

Nota pela Morte do Companheiro Marcelino

Marcelino Chiarello é natural de Caxambú do Sul, nasceu em 12 de setembro de 1969. Estudou no Seminário Diocesano de Chapecó onde foi mais um de tantos líderes que entendeu a mensagem do grande Mestre Dom José Gomes “não desistam nunca, toque em frente”. Além de professor de Filosofia e História da rede pública estadual, Marcelino sempre foi filiado ao PT e militante do sindicato dos professores e líder comunitário. Assumiu o cargo de diretor de serviços urbanos no governo municipal de Chapecó durante os mandatos petistas de José Fritsch e Pedro Uczai (1996/2004).
Foi candidato a vereador pela primeira vez em 2004, quando se elegeu como representante da base eleitoral de Claudio Vignatti, que havia sido eleito Deputado Federal e fora candidato a Prefeito naquele pleito.
O PT que governava o município por oito anos perdeu as eleições em 2004. O outro vereador eleito juntamente com Chiarello deixou o PT e ele manteve-se o único vereador do PT na cidade, entre 2004 e 2008, formando o bloco de oposição na companhia de dois vereadores do PC do B (Paulinho da Silva e Valduga).
Nas eleições de 2008, Marcelino Chiarello se reelegeu, juntamente com Luciane Carminatti. Esta concorreu para Deputada Estadual em 2010, se elegeu e foi substituída pela vereadora Dra. Angela Vitória, que junto com Marcelino formava a dupla de oposição ao governo municipal de Chapecó.
Nesses sete anos de mandato, como vereador de oposição, Marcelino Chiarello é reconhecidamente o líder político de oposição que mais fez enfrentamentos políticos e denúncias de corrupção e desvios de finalidades das ações públicas do governo municipal de Chapecó, primeiramente contra o Prefeito João Rodrigues (PFL-DEM), depois seu vice e atual Prefeito José Claudio Caramori (PSD).
Recentemente, com base nas denúncias de Chiarello, o Ministério Público afastou, pela segunda vez, do cargo de secretário regional da Prefeitura de Chapecó, o vereador do PSD Dalmir Pelicioli, comprovando desvio de recursos de subvenções sociais às entidades comunitárias do município.
Neste dia 28 de novembro, por volta de meio dia, sua esposa, ao chegar do trabalho encontrou-o enforcado na sua própria casa. Acionou a polícia e, duas horas depois, o Delegado Regional Alex Passos declarou que tratou-se de assassinato. A colega vereador Angela declarou que o companheiro havia comentado à alguns dias que precisa de proteção  policial, mas ao ser solicitado o encaminhamento do pedido o mesmo não levou adiante a idéia.
Marcelino Chiarello não tinha nenhum outro envolvimento com qualquer assunto diferente que não fosse a política. Marcelino se dedicava integralmente à política, acima de tudo, portanto, Marcelino deu sua vida pela defesa da ética na política, combatendo a corrupção, denunciando falcatruas e desvios de conduta pública. Marcelino foi um exemplo de ética e coragem.
O PT se sente chocado com mais essa afronta a vida humana. Nunca foi possível admitir esses métodos, mas cuidado, os monstros estão vivo, continuam cometendo barbaridades e podem estar ao seu lado, quando menos se espera poderão atacar de surpresa.
Com certeza, essa gente honesta e lutadora que é o povo de Chapecó e da região oeste, somados a todos e todas indignados desse Brasil, não irão se calar. Exigiremos justiça, rápida e exemplar, porque a vida de Marcelino Chiarello não será em vão, sua voz não será calada, mas multiplicada em milhões de outras vozes e gritos por justiça, pela ética na política, pela honestidade e em defesa da vida.

Texto de José Roberto Paludo

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Os fatos e as versões

Ainda sobre as repercussões da reportagem da revista IstoÉ em relação ao DNIT de Santa Catarina, nós da tendência interna Militância Socialista (MS), da qual o companheiro Claudio Vignatti pertence, queremos tornar conhecido no âmbito interno do PT a seguinte manifestação:
  1. A MS assinou embaixo e participou da aprovação, por unanimidade, da nota do PT que se manifesta na defesa dos filiados petistas citados na reportagem em relação às acusações de cunho institucional, por entender que faz parte da estratégia dos nossos adversários lançarem acusações contra o nosso governo para tentar desestabilizá-lo, e mais do que isso, deslegitimar o êxito dos oito anos do governo Lula;
  2. Reconhecemos que a Ministra Ideli Salvatti foi uma das maiores defensoras do governo Lula, principalmente nos momentos mais difíceis, com isso prestando um grande serviço à nação, o que a credencia para ocupar um papel de destaque no governo Dilma. Ao mesmo tempo, reconhecemos que o filiado do PT Claudio Vignatti fez um mandato exemplar na defesa das demandas do nosso Estado de Santa Catarina e à frente de grandes temas nacionais como a relatoria do PPA que desenhou o PAC II, Lei do Empreendedor Individual, Frentes Parlamentares da Mídia Regional e da Juventude e Presidência da Comissão de Finanças. Por isso, ambos foram nossos candidatos majoritários na última eleição, pois a união dessas duas características tornaria o PT altamente competitivo naquele pleito. Porém, mais uma vez perdemos para nós mesmos;
  3. As disputas internas do PT nunca foram escamoteadas, mas podem ser mais ou menos legítimas, pois são basicamente de três naturezas: ideológica; de interesses; e afetivas (ou pelo seu inverso, por antipatia). Nossa tendência, Militância Socialista, existe e reafirma que há divergências ideológicas e do ponto de vista tático, mas temos unidade no projeto programático do PT. Sabemos quando tais diferenças podem somar ou dividir e quais os limites das disputas internas. Desse modo, sabemos a hora de tencionar e de recuar;
  4. Foi assim quando debatemos internamente no partido a ocupação de espaço no governo federal nos centralizando nas decisões coletivas e quando definimos que as prioridades do PT de Santa Catarina seriam a indicação de Vignatti para a Presidência da Eletrosul e a da  Ideli para um Ministério. Além disso, sempre que tencionamos o fizemos internamente de maneira legítima, inclusive em relação ao filiado Claudio Vignatti, que embora tenha obtido quase 1 milhão e 200 mil votos para o Senado em 2010, maior votação de um candidato petista deste Estado, sempre respeitou as decisões partidárias;
  5. Reafirmamos que estampar na mídia as diferenças internas do PT só interessa aos nossos adversários e quem perde com isso é o PT como um todo. No entanto, cumpre-nos esclarecer que em relação ao episódio do DNIT, a iniciativa de lançar o nome de Vignatti como solução para a sua saída da SRI, foi da própria Ministra Ideli Salvatti, numa reunião com a presença de dirigentes partidários, deputados estaduais e federais e prefeitos do PT. Assim, muito nos estranha o fato de haver gravações telefônicas anteriores, com o ex-presidente do PR que se movimentavam na direção contrária, pois isso revela a armação daquilo que no futebol se conhece por “cama de gato”;
  6. Portanto, cabe esclarecer que de parte desta tendência e do filiado do PT Claudio Vignatti, o caso está encerrado. Na disputa de espaço de governo com Ideli, nós perdemos; não foi nomeado nenhum dos indicados pelo PT de Santa Catarina; e a Ministra da SRI mostrou seu poder e prestígio junto ao governo. Agora, a vida segue e as diferenças políticas seguem com outra pauta: vamos nos preparar para as eleições municipais de 2012, vamos fortalecer o PT para 2014, e vamos lutar contra as privatizações do governo do Estado, defendendo os professores e outras lutas catarinenses e defendendo o governo do PT comandado pela Presidenta Dilma;
  7. Por hora, o nome do filiado Claudio Vignatti está fora da discussão por cargos federais, como ele próprio anunciou na instância partidária que foi a última reunião do Diretório Estadual. Por outro lado, Vignatti estará sempre presente nos eventos partidários e buscará seu sustento pessoal na iniciativa privada, inclusive porque isso é pedagógico para evitar os vícios dos políticos tradicionais - dos quais temos tantos exemplos na história política contemporânea - e que não sobrevivem longe do poder fazendo qualquer coisa para nele se manterem;
  8. Por tanto, a polêmica do DNIT não tem relação com “racha” interno do PT, uma vez que não há disputa pelo cargo de superintendente no DNIT, aliás, só houve uma especulação sugerida pela própria Ministra da SRI. O nome do filiado Claudio Vignatti não está colocado para qualquer cargo no governo, a menos que seja convidado cabendo-lhe então avaliar a oportunidade, mas não haverá de sua parte ou dessa força política qualquer movimentação, tampouco nos interessa qualquer disputa de espaço com a Ministra Ideli, da qual reconhecemos o poder e prestígio dentro do governo, mantendo nossas diferenças ideológicas no âmbito interno do partido;
Chamamos a todos os petistas para virar essa página e nos concentrarmos no futuro. Como dito acima, chamamos novamente a unidade do partido no trabalho árduo, mas gratificante, de trabalhar para mudar a vida do povo. Independente do espaço que cada um atua, a cada um e a cada uma, cobra-se retorno de acordo com o grau de responsabilidade dentro do projeto coletivo do PT. A luta continua!!!

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Software Livre no contexto do “Plano Brasil Maior”

 Foi anunciado na semana passada o Plano Brasil Maior, com o lema: “Inovar para competir, competir para crescer”. O plano prevê incentivos fiscais para as empresas nacionais que agregarem valor aos produtos e investirem em pesquisa e inovação. Entre os segmentos contemplados, está o de software.
A grande vantagem do software livre é que, ao disponibilizar o código fonte dos sistemas, oferece as condições ideais para agregar conhecimento e inovação. Dizendo de outra maneira, como não é necessário “reinventar a roda” a cada novo sistema, pode-se agregar novos conhecimentos para melhorar sistemas existentes.
O setor público deveria ser o maior incentivador do uso e desenvolvimento de Software livre, pois os recursos investidos pelos governos retornam para o público, na geração de empregos locais, distribuição de renda e melhoria no desempenho dos sistemas. Os estados e municípios contratam uma infinidade de sistemas diferentes para a mesma finalidade, mas a grande maioria deles não atende perfeitamente as necessidades, pois falta força de trabalho para aperfeiçoá-los, ou esbarra-se em licenças restritivas que impedem as modificações necessárias. Se fosse investido em software livre, poderiam ser somados os esforços de vários entes federativos para melhorar sistemas públicos, a exemplo do que vem fazendo o Governo Federal com o Portal do Software Público.
O Governo Federal tem feito seu papel no incentivo ao uso de Sotware Livre. Além de contratar estes sistemas, ajuda no desenvolvimento, (portal do Software Público) e patrocina seminários e congressos nesta área. Podemos afirmar que os eventos de Software Livre são os maiores responsáveis pela popularização e melhoria destes sistemas.
Se temos avanços em nível nacional, nos estados a realidade não é a mesma. Em Santa Catarina, assim como em nível nacional, existe uma lei que prioriza o uso de Software Livre no setor público . No entanto, desde que foi aprovada, não houve por parte do governo de SC incentivos às empresas que trabalham com software livre, nem a prioridade mencionada na lei para as compras governamentais. Esta paralisia pode ser detectada também no parlamento catarinense. Apesar de existir a lei, mérito do parlamento, não existe fiscalização para as compras governamentais, nem projetos que incentivem as pequenas empresas do setor.
Usar Software Livre é uma decisão que implica em mudança de cultura nas compras governamentais, em vez de priorizar grandes empresas multinacionais, por acreditar-se que são mais eficientes, prioriza-se as pequenas empresas locais, que detêm todo conhecimento necessário para a implantação e melhoria de sistemas livres – disponíveis, testados e aprovados por milhares de empresas.
O cenário apontado pelo governo federal com o Plano Brasil Maior propicia aos governos locais reverem suas políticas de incentivo ao setor tecnológico, olhar com atenção para os setores que trabalham com software livre poderá ser um diferencial para as economias locais.

Texto publicado inicialmente no blog da Associação Software Livre SC. 

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Governo Colombo, uma vergonha para Santa Catarina.

Para entender todo o processo, leia as matérias no site da Dep. Luciane Carminatti
Os professores de Santa Catarina estão em greve há 57 dias dias, eles lutam pela aprovação dos seus direitos, o Piso Nacional do Magistério.

Santa Catarina é a sétima economia brasileira e é o segundo estado que paga o pior salário aos professores no país. Enquanto o piso nacional é de R$ 1.187, o salário base de um professor catarinense é de R$ 609.

Na semana passada, os professores se mobilizaram para impedir a aprovação do PLC 26/2011, projeto do Governador que se contrapõe ao Piso Nacional. O governador chamou  a  polícia para conter os manifestantes:




Do lado de dentro da ALESC, o Governador aliou-se aos deputados, listados abaixo, para aprovar o PLC 26/2011.

PMDB Aldo Schneider aldoschneider@alesc.sc.gov.br
PMDB Antônio Aguiar antonioaguiar@alesc.sc.gov.br
PMDB Carlos Chiodini carloschiodini@alesc.sc.gov.br
DEM Ciro Roza ciroroza@alesc.sc.gov.br
PSDB Dado Cherem dadocherem@alesc.sc.gov.br
DEM Darci de Matos darcidematos@alesc.sc.gov.br
PSDB Dóia Guglielmi doiaguglielmi@alesc.sc.gov.br
PMDB Edison Andrino edisonandrino@alesc.sc.gov.br
PMDB Elizeu Mattos elizeumattos@alesc.sc.gov.br
DEM Gelson Merisio merisio@alesc.sc.gov.br
PSDB Gilmar Knaesel knaesel@alesc.sc.gov.br
DEM Jean Kuhlmann jean@deputadojean.com.br
PP Joares Ponticelli joares@alesc.sc.gov.br
DEM Jorge Teixeira jorgeteixeira@alesc.sc.gov.br
PP José Milton Scheffer josemilton@alesc.sc.gov.br
DEM José Nei Ascari joseneiascari@alesc.sc.gov.br
PP Kennedy Nunes deputado@knunes.com.br
PMDB Manoel Mota mota@alesc.sc.gov.br
PSDB Marcos Vieira marcosvieira@alesc.sc.gov.br
PSDB Mauricio Eskudlark eskudlark@alesc.sc.gov.br
PMDB Mauro de Nadal maurodenadal@alesc.sc.gov.br
PMDB Moacir Sopelsa moacir@alesc.sc.gov.br
PTB Narcizo Parisotto parisotto@alesc.sc.gov.br
PSDB Nilson Gonçalves nilson@alesc.sc.gov.br
PP Reno Caramori reno@alesc.sc.gov.br
PMDB Romildo Titon titon@alesc.sc.gov.br
PP Silvio Dreveck silviodreveck@alesc.sc.gov.br
PP Valmir Comin comin@alesc.sc.gov.br

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Minha Casa Minha Vida 2 terá dois milhões de novas moradias e investirá R$ 125,7 bilhões até 2014

60% das habitações serão destinadas a famílias com renda mensal até R$ 1.600,00

A presidenta Dilma Rousseff lança a segunda fase do programa Minha Casa Minha Vida que vai contratar dois milhões de unidades habitacionais e investir R$125,7 bilhões de 2011 a 2014 -R$ 72,6 bilhões são para subsídio e R$ 53,1 bilhões, para financiamento.

A segunda fase do programa prevê ainda ampliação das faixas de renda familiar urbana e rural, o que proporcionará inclusão de um maior número de beneficiados, priorizando as famílias de menor renda.

A meta de atendimento para famílias que ganham até R$ 1.600,00 por mês nas áreas urbanas e até R$ 15 mil anuais na área rural subiu de 40% para 60% . Assim, 1,2 milhão de moradias será destinada a essas famílias.

Para aquelas famílias com renda de até R$ 3.100,00 na área urbana e R$ 30 mil na área rural, serão 600 mil habitações (30%). E para as que possuem renda até R$ 5.000,00 mensais na área urbana e até R$ 60 mil anuais na área rural, serão 200 mil moradias (10%).

APERFEIÇOAMENTO DAS REGRAS - O Minha Casa Minha Vida 2 aperfeiçoou as regras para aumentar a eficiência do programa. Nos casos de famílias de menor renda, o imóvel só poderá ser vendido antes de dez anos se a família quitar o seu valor total, incluindo o subsídio. O objetivo dessa regra é evitar a venda precoce do imóvel. Outra novidade é a inclusão da modalidade que permite reforma em habitação rural para baixa renda.

MORADIAS AINDA MELHORES - O valor médio das moradias para famílias de baixa renda passou de R$ 42.000,00 para R$55.188,00 e a área construída das casas foi ampliada de 35m² para 39m², melhorando a acessibilidade para idosos e pessoas com dificuldades de locomoção.

As casas e apartamentos contarão com azulejos em todas as paredes da cozinha e banheiro, piso cerâmico em todos os cômodos e portas e janelas maiores. Todas as casas contarão ainda com energia solar para aquecimento de água, colaborando para a diminuição dos gastos com energia.

MAIS PROTEÇÃO À MULHER - As mulheres chefes de família poderão assinar contratos independente do seu estado civil. Até então, elas necessitavam da assinatura do cônjuge, o que dificultava o seu acesso ao programa. A medida é válida para aquelas que tenham renda de até R$ 1.600,00.

PARCERIA LOCAL - Haverá ainda uma parceria maior com as prefeituras que receberão recursos para o desenvolvimento do trabalho social junto às famílias beneficiadas, tais como mobilização e organização comunitária, educação sanitária e ambiental e geração de emprego e renda.

BANCO DO BRASIL - O Banco do Brasil que já opera com financiamento habitacional passará a integrar o programa Minha Casa Minha Vida 2 na modalidade voltada para famílias de menor renda, a partir de 2012.

CONFIRA MUDANÇAS NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA
Casa: 39,6 m²
Apartamento: 45,5 m²
Aumento da área para melhoria de acessibilidade
Valor médio das habitações : R$ 55.188,00
Especificações: Piso cerâmico em todos os ambientes. Azulejo em todas paredes de cozinha e banheiro. Aquecedor solar em todas as casas. Todas as portas com 0,8 m e janelas maiores para melhoria das condições de iluminação e ventilação.

Clique aqui para conhecer a apresentação do Programa Minha Casa Minha Vida 2

Fonte: Blog do Planalto

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Etapas Municipais ou Regionais - Conferência da MS

 Programação:
  1. Apresentação da Militância Socialista;
  2. História da Militância Socialista;
  3. Organização e Funcionamento da Militância Socialista;
  4. Eleições 2012;
  5. Eleição da Direção Municipal ou Micro-regional da MS;
O quórum de delegados da etapa municipal ou micro-regional para a etapa estadual é de 1/5, ou seja, um delegado(a) para cada cinco participantes;
São considerados militantes da MS se: estiver filiado(a) ao PT a pelo menos um ano; se estiver inserido(a) em alguma militância (social, partidária ou institucional); se estiver participando ou for convidado(a) à participar das listas eletrônicas da tendência nacional ou estadualment; se dispõe-se à contribuir com a tendência; e se participar de alguma etapa desta 1ª CNMS.

Calendário:

Localdataresponsáveis
Joinville11/06Waldir/Paludo
Florianópolis13/06Ivanildo/Paludo
Gravatal16/06Diego/Constantino/Paludo
Ararangua17/06Diego/Luiz Fernando/Paludo
Criciúma18/06 - manhãDiego/Paludo
Laguna18/06 - tardeWalter/Lucio/Paludo
Itapema18/06 - noiteMatiolo/Sanção/Paludo
Mafra30/06Angela
São José01/07Pedro Nogueira/Paludo
Blumenau02/07 - manhãOdair/Paludo
Rio do Sul02/07 - tardePaludo
Xavantina21/06Cristian/Alipio/Evandro
Blumenau02/07
São José, Palhoça, Biguaçu01/07
Jaraguá do SuldataWaldir/Paludo
Chapecó27/06Cristian/Alipio/Evandro
SearadataCristian/Alipio/Evandro
Xaxim04/07Cristian/Alipio/Evandro
São Lourenço do Oeste28/06Cristian/Alipio/Evandro
Palmitos07/07responsáveis
São Miguel do Oeste01/07responsáveis
Joaçaba/CapinzaldataChico/Roger

1ª Conferência Nacional da Militância Socialista

Etapa Estadual - Santa Catarina

DIA: 16 de julho de 2011.
Local: Auditório da FACVEST - Lages
Horário: 9h às 17h
Pauta:
a) A Conjuntura Internacional e Nacional;
b) O Socialismo;
c) O Partido dos Trabalhadores;
d) A Militância Socialista;
e) Eleição da Direção Estadual da MS e de Delegados para a etapa Nacional;

(O quórum de delegados da etapa estadual para a etapa nacional é de 1/3)

terça-feira, 22 de março de 2011

Renato Simões fala do FSM 2011

Renato Simões fala sobre Forum Social Mundial (FSM 2011) da África e da participação da delegação do PT no evento

video

sexta-feira, 18 de março de 2011

Deputado Pedro Uczai promove seminário sobre a Reforma Política

Sob o título "Que Reforma Queremos" o Deputado Federal Pedro Uczai promove o primeiro seminário em Santa Catarina sobre a Reforma Política. O convidado especial do evento é o também deputado Henrique Fontana, relator da Comissão da Reforma Política na Câmara dos Deputados.
O objetivo do evento é levar ao conhecimento da sociedade um debate polemico, mas necessário para mudar a cultura política do nosso país.
O evento acontece às 19h, do dia 28 de março, no centro de Cultura e Eventos da Universidade Federal de Santa Catarina.

Para divulgar o convite, acesse o link Convite Seminário 

sexta-feira, 11 de março de 2011

O Brasil que queremos

Para este III Congresso do PT todos os temas sobre o Brasil são importantes, seja relacionado a economia, políticas sociais ou democracia.

Lembremos que o Brasil passou à Republica em 1889, porém sem voto feminino até 1932, que ocorreu em meio a uma ditadura, ou seja, antes de se completar o direito ao voto já experimentamos o que é ditadura. Depois foram 19 anos de democracia e mais 20 anos de ditadura e agora passamos de duas décadas de democracia, pela primeira vez na história.

Num período de consolidação da democracia brasileira, como afirmou Lula no dia 29 de outubro passado, há uma conjuntura favorável para avançar, com mais rapidez, na construção de uma democracia brasileira que funcione.

Não existe um modelo democrático ideal, depende da situação história e da cultura política de cada país e requer mudanças permanentes.

Um indicador interessante para embasar essa discussão é conhecido por “latinobarometro”. Uma pesquisa de opinião, realizado por uma empresa chilena, desde 2001, no qual o Brasil se encontra numa situação pouco privilegiada. Os países com os melhores indicadores democráticos são Uruguay, Chile e Venezuela, o Brasil aparece no final do grupo intermediário que antecede os últimos da lista que são Guatemala, El Salvador e Paraguay.

São vários temas abordados e o desafio é analisar o que são causas e consequencias.

O sistema eleitoral e a falta de partidos políticos consolidados, incapazes de melhorar a credibilidade das instituições públicas, combater a corrupção e melhorar a eficácia dos poderes públicos, são causas da cultura política anti-partidista.

A reforma política não entrou na agenda do primeiro mandato de Lula, mas é fundamental que seja pautada agora, para qualificar a democracia brasileira.

O primeiro ponto base é o tipo de voto. O Brasil é o único país da América Latina que tem voto personalizado puro. Todos os demais países tem voto em lista ou misto.

No Brasil existe um tipo de financiamento público dos partidos que é o Fundo Partidário, mas as campanhas eleitorais são exclusivamente financiadas pela iniciativa privada, que tem um custo muito maior para a sociedade e que introduz o circulo vicioso da corrupção privada-estatal-privada.

Além do argumento de que haviam outras prioridades mais urgentes no primeiro mandato, devemos considerar a dificuldade de enfrentar o debate, considerando o alto índice do sentimento anti-partidista também no Brasil, fortalecido pela mídia através das campanhas massivas de desconstrução da imagem do PT e para faze-lo mais um partido, igual a todos os outros. Não enfrentar esse debate significa alimentar o círculo vicioso e se adequar a ele.

Por essas razões, nem o PT, nem o Presidente Lula podem se abster de provocar esse debate com a sociedade brasileira , difícil, porém estratégico. Buscar formas de promover a participação, o debate aberto e a legitimidade social de uma reforma política que introduza, fundamentalmente o voto em lista, fidelidade partidária e finaciamento público de campanhae contribuir assim com a melhoria da cultura política e com a democracia brasileira.

Texto publicado no Caderno de Debates nº 1 - O Brasil que queremos. (preparatório ao III Congresso Nacional do PT - 2007)

Assembleia IPSW

CONVITE

Convidamos a todos (as) para participar da Assembleia Geral do Instituto Paulo Stuart Wright (IPSW), que acontecerá no dia 18 de março de 2011, próxima sexta-feira.
Constam da pauta:

Eleição da nova diretoria;
Alteração de endereço; e
Alteração do Estatuto do IPSW.

A Assembleia ocorrerá no Auditório do Sintespe (Pç. Olívio Amorim, nº 82 – Centro – Florianópolis/SC), com primeira chamada às 18 horas e segunda chamada às 18h30min.

sexta-feira, 4 de março de 2011

'A história não acabou e o Consenso de Washington fracassou'

No discurso proferido no Fórum Social Mundial 2011, em Dakar, o ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva destacou que, nos últimos dez anos, muitos dogmas foram quebrados. “Aqueles que pregavam o “fim da história” assistem hoje o movimento irresistível dessa história que acreditavam morta. É o que se vê na América do Sul, na África, mas sobretudo nas ruas de Túnis e do Cairo e de tantas outras cidades africanas onde renasce a esperança de um mundo novo”. No mundo todo, acrescentou Lula, é cada vez mais forte a consciência de que fracassou o chamado “Consenso de Washington”.

Clique aqui e leia na íntegra o discurso.

Assista aqui ao vídeo do ex-presidente Lula no Fórum.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Programação do III Curso de Formação da ES

 25 de fevereiro - sexta-feira

– 12h - almoço

- 14h - abertura, apresentação e acordo de vivência

- 15h30min às 19h – TEMA 1

- História Cultural de Santa Catarina (Reinaldo Lindolfo – Doutor História e Professor da UDESC)

- 19h – jantar

- 20h – Oficina de Cinema Catarinense (Iur Gomes – Presidente da FUNCINE e militante da ES e do IPSW)


26 de fevereiro - sábado

- 8h30min às 12h – TEMA 2

- O PT e os desafios socioambientais (Hamilton Pereira popular Pedro Tierra, poeta, dirigente histórico do PT, ex-presidente da Fundação Perseu Abramo e atual secretario do Ministério do Meio Ambiente)

- 12h almoço

- 14h às 18h – TEMA 3

- Questão de Gênero (Rosangela Rigo – dirigente da MS em São Paulo, ex-secretária de mulheres do PT/SP, ex-assessora de Marta Suplicy)

- 19h30min às 22h – TEMA -4

- As tecnologias digitais e a democratização das comunicações (Alexandre Machado – Diretor Tecnologia da Fabrico, consultor, membro do SOLISC)

27 de fevereiro – domingo

- 9h às 12h – TEMA 5

- Desafios do PT e a Conjuntura do Próximo Período (Renato Simões, secretário nacional de Movimentos Sociais do PT e Pedro Uczai, professor universitário, escritor e deputado federal do PT catarinense)

- 12h – almoço

- 13h30min – passeio e lazer na Pousada Arco Iris

SOBRE A INSCRIÇÃO:

Custo da inscrição – R$ 200,00 (que dá direito à alimentação, estadia e material do curso)

Prazo para inscrições – 16 de fevereiro de 2011

Como fazer: enviar e-mail para marlei.grolli@gmail.com ou confirmar no recebimento do convite.

Local do evento: clique aqui


Dúvidas:

marlei.grolli@gmail.com

48-9104-0391 com Marlei Grolli

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Curso de Formação da ES

Prepare-se, vem ai mais um curso de formação para dirigentes da Esquerda Socialista. Participam do curso,  além dos dirigentes estaduais, micro-regionais e municipais do PT, mandatários parlamentares e executivos (municipal, estadual e federal) Assessores parlamentares e comissionados executivos, dirigentes (sindicais e de movimentos populares) e convidados.

O evento acontecerá nos dias 25, 26 e 27 de fevereiro, na pousada Arco Iris, em Pouso Redondo. O local foi escolhido para que haja momentos de descontração.

Em breve divulgaremos a programação.

Clique aqui para conferir  o local.